Pra Mulhegada

Sei que no meu parco público as mulheres são minoria, mas tudo bem, dedico esse post sõ pra Ju e pta Tatá (vcoê ainda vem aqui?) e pra quem mais venha aqui esporadicamente…

Nas minhas andanças internetais encontrei 2 sites sobre/de/para mulheres muito interessantes, vamos começar pelo mais sem graça… pelo menos por enquanto, na minha primeira olhada
Banheiro Feminino.
Ainda não entendi a pegada do site, mas é engraçado… principalmente uma tradução/interpretação fantástica de I’ll Survive.

O outro, meu favorito, se pá até já falei dele aqui é o 02 Neurônio.
Essas três são fodásticas, mas me identifiquei principalmente no a Nina Lemos, não sei, tem uns posts que ela fala coisas que parecem com eventos recentes da minha vidinha tão calma de outrora… A Ju, coitada, não aguenta mais receber emails do UOL dizendo que “Eli te recomendou um post” haha
Segue abaixo um desses textos da Nina Lemos:

A dor e a delícia de não contar mais tudo para todo mundo

Um dia todo o esforço da sua analista e os conselhos da sua mãe surtem efeito. E você decide que não vai mais sair por aí contando as coisas da sua vida na Internet, no MSN, na rua, no salão de beleza, na chuva, no carro de reportagem, na reunião de pauta. Finalmente você virou uma pessoa sábia.

E descobre que não tem mais sobre o que escrever no seu blog (o que causa uma crise criativa grave). E, pior, parece que as coisas vão simplesmente explodir dentro de você, que começa a ter vontade de pegar o telefone e ligar para uma amiga que não vê faz tempo para contar justo aquilo que decidiu só contar para cinco pessoas. No máximo, seis.

Outras conseqüências do ato, além de ter o coração parecendo que vai explodir e falta de inspiração para escrever, é alugar DEMAIS duas amigas, no máximo, três. Essas são as que foram eleitas como pessoas para quem você pode contar tudo. Essas, coitadas, têm que te aturar mais do que o necessário.

Mas sua amiga te ama. E entende que é, sim, ótimo, ter conseguido falar só de trabalho na reunião de trabalho. Mas, sem contar nada para ninguém, me diz, como é que se consegue dormir?

“Estamos com convulsão mental”, diz a amiga pelo telefone. E, juro, uma boa confissão para um desconhecido no café da firma talvez tivesse diminuído a loucura.

(Por Nina Lemos)”

Espero que vocês tenham tido saco de ler tudo! hahaha

One comment

  1. Marcelo · October 25, 2007

    Eu não sou mulher e… não me identifiquei com o post! (ainda bem!!)

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s