Os homem-hamster de regatas

Usando legging preto e regata branca ela pára na frente da catraca, escreve seu nome, número de matricula, assina e coloca a hora: 18:07 hs.
“Boa tarde” diz simpático o rapaz de trás do balcão usando uma regata amarela dessas que não seguram o suor.

Olha em volta e vê dezenas de rostos suados, contorcidos pelo sofrimento, corpos bem torneados (em sua maioria) cobertos por regatinhas, shorts ou leggings. Caminha ao fim da sala com passos firmes.
Digita: 20Min. Começa então a pedalar, pedala e pedala. Por mais rápido que pedale o cenário não muda, nem as caras suadas mudam, só trocam de aparelho e olham de forma curiosa para a estranha. Vinte longos minutos depois se levanta e vai decidida a outro aparelho, programa novamente 10 Min“Ainda tem mais uns 7 aparelhos pela frente, não vou forçar tanto, primeiro dia ?” ela pensa, enquanto faz seu exercício, um misto de pedaladas, passos, pulos, aparentemente ladeira acima, 30 graus, segundo o maquinário. “Cara, esse legging me engorda 10 quilos! Acho que é isso, você se sente maior, então malha mais! Maravilha!”. Desce então de aparelho tão peculiar, dá 3 passos sentindo as coxas “Não é que esse negócio funciona mesmo”, anda em direção ao próximo aparelho e faz uma curva… para a esquerda, seu corpo… para a direita.
PÁ! No chão emborrachado.
Todos os olhares suados se viraram para ela, todos os sons de aparelhos, respirações ofegantes cessaram. E ela lá, caída de lado no chão. “Aiiiii” pensa.
“Você tá bem?” pergunta uma voz em meio ao silêncio “Tô” responde atrás do sorriso amarelo “infelizmente” entre os dentes cerrados.
Como quem acha normal senta-se então numa geringonça branca, na parte que parece ser o banco, apóia os joelhos onde acha que deve e faz força com as pernas. Nada. Nenhum movimento. “Ah, desculpa, deixei muito peso, perai, vou mudar pra você…” Diz um rapaz também de regata amarela (“será que é moda aqui?” pensa com seus botões), também suado. “Vinte quilos tá bom?” ele pergunta “Acho que tá mais pra uns dois, hehe…”. Ele sorri amarelo e põe no peso mais leve: 5Kg.
Ela então passa a ser mais uma daquelas pessoas suadas de regata a sua volta. Quando termina de usar o equipamento migra para o próximo, este mais complicado que o anterior. Ela apóia o braço, bebe água e olha para o objeto como se fosse a esfinge “decifra-me ou devoro-te”. Respira fundo… Olha em volta… Todos os demais suados a observam… Alguns cochicham… Ela se encaminha para o próximo aparelho, despretenciosamente… e para o outro, e o outro… e depois a catraca, a liberdade!
Envergonhada passa na frente das grandes janelas de vidro e vê os homens e mulheres de regata.
Pouco depois volta, senta diante das grandes janelas (na direçao das quais os homens- hamsters correm sem sair do lugar) e aprecia calmamente, sem suar, um grande milk-shake de chocolate.

One comment

  1. Filipe · January 19, 2008

    Adorei a história.
    Parece a vez quando fui ao parque com a minha mãe para caminhar e ela disse “vc anda mto rápido, vá na frente…”.
    eu a encontrei na volta seguinte sentada num banquinho e com um sorvete. rs
    Beijos.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s